Bem-vindo! Hoje é segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Programas de estímulo à permanência

A Urcamp a partir de seu compromisso social, desenvolve ações em prl da permanência dos discentes na instituição. Além das possibilidades de financiamento, bolsas e o apoio pedagógico, a instituição oferece possibilidades de permenância: o programa de nivelamento e o apoio psicpedagógico.

Programa de Nivelamento

O Programa Institucional de Nivelamento em Ensino Superior (PINES) é de caráter multicentro e multicampi, no âmbito da Pró-Reitoria de Ensino, o qual destina-se aos alunos matriculados nos cursos de graduação da URCAMP, visando possibilitar ao aluno a revisão dos conteúdos básicos do Ensino Médio nas áreas de Matemática, Física e Química, Informática e noções de gramática e produção de texto, enfatizando os seus fundamentos através das estratégias de atendimento e do formato das atividades pedagógicas a serem desenvolvidas para superação de defasagem de aprendizagem, conforme Resolução 01/2015 da Pró-Reitoria Acadêmica.

O Programa se destina aos alunos com lacunas referentes a aprendizagens anteriores à educação superior e as do próprio curso, desenvolvidas com carga horária adequada ao atendimento das necessidades diagnosticadas, em qualquer tempo, no sentido de contribuir com o acadêmico na realização de um curso superior de qualidade.

Atendimento psicopedagógico

A URCAMP, por meio da Resolução Nº 42/2007 estabelece as Diretrizes para a Inclusão do Aluno com necessidades especiais no Ensino Superior, Técnico, Médio e Fundamental, propondo condições de acesso e permanência de pessoas com deficiência. A referida resolução tem como finalidade dar visibilidade aos diferentes caminhos pedagógicos para a construção da acessibilidade na URCAMP.

Por meio do Programa de Apoio Psicopedagógico, a inclusão passa a valer-se de estratégias diferenciadas, no sentido da promoção de um processo de construção de conhecimento acessível a todos os alunos com deficiência, com uso do Laboratório de Informática, possibilidade de ajustamento no plano de estudos, autorização do docente para gravação de aula pelo aluno cego, paralisado cerebral, aluno com dislexia ou com dificuldades motoras, oferecimento de intérprete de libras para alunos surdos, seleção das salas de aula em função da melhor acessibilidade, orientação aos professores para que estes possam oferecer aos seus alunos condições de bom aproveitamento e participação no espaço de sala de aula rompendo as barreiras físicas, comunicacionais e atitudinais.